Domingo, 06.07.14

ISABEL LOUÇÃO SANTOS NO HOTEL MIRA VILLAS

CONVITE
Isabel Loução Santos, jornalista da TVI, vai estar dia 11 de Julho, sexta-feira, pelas 18h30, no Hotel Mira Villas, na Praia de Mira, a convite do Movimento Gota D'Água, para apresentar o seu livro "COMO SOBREVIVER A UMA CRISE (E CONTAR A HISTÓRIA)", editado pela GRADIVA, seguindo-se depois um debate com a autora e outros convidados.
Como a sua presença é importante, vimos por este meio convidá-lo (a) a juntar-se a nós e a participar neste evento.
MOVIMENTO GOTA D’ÁGUA

tags:
publicado por António Veríssimo às 15:23 link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 04.05.12

PROJECTO AMIGOS MAIORES QUE O PENSAMENTO, ENCONTRO

ENCONTRO DE SUBSCRITORES 

“PROJECTO AMIGOS MAIORES QUE O PENSAMENTO”

8 DE MAIO | 3ª FEIRA | 21H

SEDE DA AJA norte

(RUA DO BONJARDIM | 635|1º ANDAR| TRASEIRAS| PORTO)

ORDEM DE TRABALHOS PROPOSTA:

1-      BALANÇOS E INFORMAÇÕES SOBRE INICIATIVAS REALIZADAS

2-      CONCERTO – JULHO 

3-      NOVAS PROPOSTAS 

4-      OUTROS

tags:
publicado por António Veríssimo às 09:10 link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22.02.12

LEMBRAR ABRIL DEVE SER UMA CONSTANTE

 

Numa altura em que o país caminha para um extremismo que os militares  de Abril quiseram banir com a Revolução dos Cravos, evocar o 25 de Abril e lembrar José Afonso e Adriano Correia de Oliveira deve ser uma vontade e uma acção constante.

No ano em que passam 25 anos sobre o desaparecimento físico do Zeca e 30 anos sobre o desaparecimento físico do Adriano, as iniciativas começam a surgir um pouco por todo o lado. E em Mira, “Abril, lembranças mil” é a iniciativa que, de 20 a 30 de Abril, faz recordar o papel dos militares na defesa da democracia, na defesa de um caminho que contribuiu para que o povo fosse à luta pelas suas conquistas. Conquistas que, agora, nos querem tirar, nos estão a tirar.

Dessa iniciativa, organizada por várias entidades em espírito de grande parceria, destaca-se o dia 28 de Abril onde José Afonso e Adriano Correia de Oliveira vão ser lembrados, homenageados e cantados por companheiros e amigos que chegarão a Mira vindos de vários pontos do país.

E Mira, que é já a capital da columbofilia, será nestes dias de Abril a capital da liberdade. Onde, porque é urgente e necessário, se dará mais um passo, um grande passo, para que Portugal continue no caminho certo, no caminho da democracia, da cultura e da cidadania responsável.

 

“ABRIL, LEMBRANÇAS MIL”

 

MIRA, CAPITAL DA LIBERDADE

20 A 30 DE ABRIL

 

De 20 a 30 - “FRAGMENTOS DE ABRIL”, pintura de artistas mirenses (Átrio da Câmara Municipal de Mira)

De 20 a 30“PALAVRAS DE ABRIL”, parede de poemas (Biblioteca Municipal de Mira)

De 20 a 30 – “MEMÓRIAS DO 25 DE ABRIL”, exposição bibliográfica (Biblioteca Municipal de Mira)

De 20 a 30 – Projecção da série documental “MAIOR QUE O PENSAMENTO”, sobre José Afonso, da autoria de Joaquim Vieira (Bibliotecas Escolares de Mira)

De 20 a 30 - Projecção do filme “SE A MEMÓRIA EXISTE” de João Botelho, baseado numa história de Manuel António Pina (Escolas de Mira e Bibliotecas Escolares de Mira)

De 23 a 27 - “LER ABRIL”, exposição bibliográfica e “ABRIL ESCREVE-SE E ILUSTRA-SE DE MIL MANEIRAS”, mostra de trabalhos de alunos sobre o 25 de Abril (Biblioteca Escolar da EB de Mira)

De 23 a 27 – “SENTIR ABRIL”, exposição histórica e documental, passagem de filmes e documentários, concurso, sugestões de leitura, música e sessões multimédia e informativas sobre o 25 de Abril  (Biblioteca Escolar da ES de Mira)

Dia 24, 20H30 - Tertúlia “CONVERSAS AO BORRALHO” com Mário Tomé e música interpretada por Constança e Custódio Monteiro, Ciclos, Grupo Coral de Mira e Sumeterraio (Biblioteca Escolar da EB de Mira)

Dia 25, 11H00EVOCAÇÃO DO 25 DE ABRIL com largada de pombos, “Música de Abril” e pintura ao vivo com o artista Paulo Manata Fixe (Jardim Municipal de Mira)

Dia 25, 16H30 - Tertúlia “AS PORTAS QUE ABRIL ABRIU” com João Reigota, Manuel Matos e a Associação Cívica José Estêvão (Café Aliança, em Mira)

De 26 a 30 - Exposição de pintura de Ana Maria Reigota, Fernanda Baptista, Maria Do Céu Morgado, Miguel Alegrio e Zélia Morais (Café Aliança, em Mira)

Dia 28, 15H30HOMENAGEM DO PODER LOCAL A JOSÉ AFONSO e a ADRIANO CORREIA DE OLIVEIRA (Salão Nobre da Câmara Municipal de Mira)

Dia 28, 16H30AMIGOS MAIORES QUE O PENSAMENTO com as palavras dos companheiros e amigos Alípio de Freitas, Álvaro de Carvalho, Álvaro Fernandes, Camilo Mortágua, Carlos Carranca, Helena Pato, José Levy Domingos, Rui Pato, entre outros, e a música e as canções de Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira interpretadas por Arnaldo Carvalho, Aurélio Malva, Carlos Albano, Jorge Monteiro, Nocturno – Grupo de Fados, Ciclos e Sumeterraio (Casa do Povo de Mira)

Dia 29, 16H30 – Projecção do documentário “À PROCURA DO SOCIALISMO”, de Alípio de Freitas e Mário Lindolfo seguido de debate e música (Café Aliança, em Mira).

 

A iniciativa integra-se no Projecto Amigos Maiores que o Pensamento, e tem organização conjunta do Projecto Cultura e Cidadania (Mira), da Biblioteca Escolar da EB de Mira, da Câmara Municipal de Mira, da Associação José Afonso, do Movimento Republicano 5 de Outubro (Coimbra), da Associação 25 de Abril e do Clube Literário de Mira e conta com o apoio e a colaboração do Agrupamento de Escolas de Mira, do Café Aliança (Mira), da Casa do Povo de Mira, da Diligência Bar (Coimbra), do Eurocompras (Mira) e do Movimento Escrita e Combate (Mira).

tags:
publicado por António Veríssimo às 11:12 link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 14.12.11

Governo esquece centenário de grandes escritores

O governo de Pedro Passos Coelho, cuja pasta cultural é da responsabilidade do secretário de Estado Francisco José Viegas, escritor, esqueceu-se do centenário do nascimento dos escritores Alves Redol e de Manuel da Fonseca.

Baptista Bastos, em artigo publicado no Diário de Noticias, escreve que Alves Redol e de Manuel da Fonseca “são dois dos maiores escritores da literatura portuguesa, mas eram neo-realistas e, por isso, desdenhados pela miuçalha que voeja nos canais da cultura”. E o governo actual, continua o jornalista/escritor, “não é propriamente um arfante frequentador de livros. Basta ouvi-los. Aquela constante troca da expressão "competitividade" por "competividade" causa apreensão”.

“O governo cumpre o seu papel de os esquecer. O nosso, é o de sacudir estas inércias, e relembrá-los, com emoção e orgulho”, remata o cronista do DN.

Carlos Albano Henriques, professor aposentado, acha que “grande parte dos nossos governantes culturalmente são uns aculturados, isto é uns broncos que não lêem e se não tivessem uma calculadora ao lado, borravam as contas do Orçamento de Estado”.

“Somos governados por burgessos”, remata aquele professor.

Pedro Rodrigues, dirigente do Bloco de Esquerda, diz que esta atitude “não é esquecimento mas sim desprezo”. Um desprezo, sublinha, “que resulta da profunda incompreensão, por parte dos governos recentes, do papel que a cultura pode desempenhar no desenvolvimento do país. E que se manifesta em "esquecimentos" vários, na diminuição dos orçamentos até níveis absurdos e num discurso populista contra os artistas e demais profissionais da cultura”.

Aquele dirigente bloquista acha que “quando o Estado abdica do seu papel nesta matéria, não é só a cultura que é atirada para "o cesto dos papéis". Porque as manifestações artísticas e culturais são o essencial da identidade um povo, é o próprio país que está a ser atirado para o lixo, ao abrigo da mais perigosa das políticas de austeridade: a austeridade das ideias e da liberdade de criação”.

 

 

 

 

tags:
publicado por António Veríssimo às 14:19 link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

últ. comentários

mais comentados

arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro